Twitter Feed Facebook Google Plus Youtube

13 fevereiro, 2015

Dor e desconfiança, medo. Parauapebas é uma cidade perplexa, abandonada e sem rumo.

OBITUARIO



Nosso OBITUARIO é invertidamente escrito para os vivos. Sob a luz do momento e sob o impacto de sua dor, voltamos os olhos ao motivo de tudo isto, de tanta perda: a politica. A administração publica que ele tanto tentava esclarecer: “ tens agora seu pedaço de terra. Que queria tanto ver dividida” in Morte e Vida Severina. Mesmo motivo, mesma situação, mesma historia, apesar de outros motivos. Os mortos-vivos que falamos atuam por ai, sejam políticos ou não, sejam apenas pessoas enfezadas e com ódio. Sejam suas ações e cegueira, frente e ao lado do governo de ar.

“e virá como guerra, a terceira mensagem
Na cabeça dos homens, aflição e coragem.
Afastados da terra, elas pensam na fera e começam a devorar....”
Zé Ramalho in A Terceira Lâmina.

E assim vamos, de morte em morte

Aos anjos cabem a vigília eterna. Aos verdadeiros homens, heróis do tempo cabem o descanso eterno. Vai em paz Dr. Jakson. A saudade de suas ações e palavras que sirvam de lição aos filhos, adolescentes e jovens que precisam se erguer por um Brasil melhor e mais decente. Onde uma vida não possa valer mais do que uma bala.


Os zumbis
Qual zumbis, tateiam o presente em busca do passado. Tal qual zumbis, travestidos em vampiros, sugam as veias da cidade e de todos seus habitantes, homens, bichos, mato. Tal qual assassinos, anseiam em matar o  amanha. Carcereiros de vinténs, também prisioneiros de sua ânsia, de sua fome desmedida, se arriscam, deixam rastros, provas, se culpam. Tal qual zangões, ao gozar perdem a cabeça, se algemam, mofam em presídios e veem seus pares gozarem impunes o que roubaram em quadrilha. São bestas feras mortas, resta a mim escrever seu obituário.



Quedo-me a investigar como, tantas pessoas metidas a sábias, inteligentes e talentosas podem errar tanto a ponto de levar seu chefe a prisão, ao isolamento e ao atestado publico de sandice e incompetência. Imagino os que julgam a priori, como a Ouvidoria por exemplo. Fechada em si mesmo, metida a ponto de acreditar que as denuncias e pedidos que lhe chegavam teria solução simples, a ponto e não ter estabelecido ruas internas à gestão, ficava sem respostas frente a pressão popular. Suas ideias e atitudes jamais teriam acolhida numa equipe “de fora”, cujo único objetivo era roubar, achincalhar, tirar do alheio, progastinar, levar para casa. Na sua idiotice de achar que os outros jamais tinham razão, entregará um setor sucateado, em dois anos não montado, perdido nas entranhas de Carajás e arredores. Pobre ouvidoria de nada.

A empáfia na Semob é titânica. Do alto dos seus excelentes desserviços prestados a mineradora quando da aquisição dos terrenos marginais a estrada de ferro – uma obra que apenas a megalomania da Vale acredita ou apenas em Parauapebas é possível neste momento; nunca secretariou. Quando pode e quando não pode, se juntou ao Marconi, ao Zé de Fátima, ao Vander e agora ao ex-secretário Wady Sobrinho, para trocar figurinhas, ter o dito pelo não dito, prevaricar e gastar tempo. Enrolar o perdido Valmir num visgo do acho, do grande, dos deixem que os outros fazem. Sacripanta por excelência, este secretario prestou apenas a Progen, a Vale, aos grandes empreiteiros que puderam fazer grandes jogos suicidas com ele. Não trabalhou , enrolou, fez compras absurdas e ilegais, desprezou Parauapebas. Com toda sorte de crimes, navega à corte, sem responsabilidades, presilhas aos  apertos de entrega. Trabalha por si e para si, foda-se Valmir. Mas são milhões desviados ou gastos de forma totalmente ilegal. O LIXO e a USIMIG, a JM, a ConstruFox, a Progen, os caminhões da Sanepave. É, vai precisar explicar muita coisa... tantas maluquices: o contrato de maquinas de Hamilton Ribeiro, as maquinas da coleta de lixo e tudo que é porcaria de corrupção e desmando. Muitas explicações.

A turma apocalíptica do PSD. Que grande grupo de otários preguiçosos.  Mesmo a ver que não tem cabeça, que seu possível líder é apenas líder de si mesmo, se reúnem para reclamar, apagar incêndios, filosofar. Perdidos na teia politica sem conhecê-la, ignorantes na questão do ensino grego, estes membros do partido do prefeito mais parecem um grupo de curingas, a fazer rir, a balançar a cabeça e pernas, num sim-sim urgente, estridente, entre sorrisos. Se tivessem a fibra de homens, de pessoas honestas e a construir, teriam se oposto ao pretenso chefes. Agora são um arremedo de sucia. Para nada servem ao servir ao leviatã. Me digam agora, porque alguns deles não reagem? As migalhas e promessas valem mais, muito mais que honra, caráter, iniciativa, construção. Ficar próximos ao poder, mesmo sem seus benefícios diretos é melhor que opor-se. Bando de covardes.

Vereadores da base governista, canalhas. A homenagem é Ode aos Ratos (conforme camarapebas.blogspot.com), bichos muito mais corajosos que todos estes ditos homens. Os ratos ao menos enfrentam seu destino ao correr atrás da vida. Alguns destes, escondidos na sombra de suas mulheres se locupletam, arrancam milhões em vendas escusas, negociatas de arrepiar. Outros, ficam a espreita, ocupam espaços, recebem propinas. Aguardam ordens em contas bancarias de laranjas ou carregam sacolas nas madrugadas quentes. Sorriem, oram, batem palmas, louvam. Preferem estar numa quadrilha que cumprir seu papel de legislador. Onde estamos?

Vander Nepomuceno, egresso da sociedade dos malucos mortos, testes e blábláblá, embrulhados numa sucessão de má fé e oportunismo. Cumpre seu papel de vilão, de ordinário, de marchand do nada. Não  tem planos, metas, nada faz. Apenas pajeia Valmir da Integral, mesmo contra sua vontade. Itabira espera seu regresso, agora mais rico, com mais recursos tiradas na  jovem e rica Parauapebas. Consorciado com a banda podre desse desgoverno, flana num torpor do quase, onírico, colorido. São tão sábios que enquadraram seu chefe em toda sorte de falcatruas e crimes. E que  profissionais do nada, deixar Parauapebas nesta situação. As massas estão perplexas: não são doutores? Mestres? Agora sabemos, pela postura arrogante, pela falta de tato que são doutores do ar, na verdade nada sabem. Mas formaram uma quadrilha, justamente porque sua sabedora é a prevaricação, o engodo e a falsa noticia.

Nossa, que turma esta, egressos da maior mineradora do mundo! Talvez por isso, esteja perdendo ano após ano valor de mercado. Nos últimos seis, foram cerca de 200 bilhões.

E não nos surpreende mais, provas de sua insanidade: a – parceria com Valmir da Integral para destruir Parauapebas, b – parceria para a duplicação da rodovia, com maquinas e serviços de Hamilton Ribeiro, c – construção da linha férrea dentro de Parauapebas, para escoar minério de Canaã. O movimento social não vai deixar este trem passar, é perda de tempo e investimento. Nossa conversa com a VALE, de agora em diante é:

LOC – Licença Ambiental Coletiva.

Procuradoria, Marconi, Kesia e outros arranjos jurídicos, incluindo ai a Controladoria. Podem acreditar, falam em controlar o incontrolável,. Deste que sejam pequenos valores. Os convênios miseráveis eles põem banca, investigam. Gostaria, que tentassem controlar os pagamentos da JM, da FOCS,  da HR. Malandros. Acredito que ao tentar impor normas absurdas aos pequenos, que sempre recebem muito pouco e conseguem multiplicar, estejam fingindo  que são administradores responsáveis. Duas malucas apenas, contando as penas do frango, enquanto a carne é consumida. A convivência de procuradores com este ou aquele juiz local é até legal mas conflita com suas funçõess. Mesmo Marconi, partner de Mauro Santos e companhia,  tem como função apenas tirar daqui e levar pra lá. Vivemos um momento especial. Com advogados dando plena blindagem ao crime. Isto não deveria existir. Este descaso com a justiça, a lei e a ordem pode acabar mal. A justiça ainda não tem como separar juízes pela grau de corrupção e nem todos procuradores fazem acordos.  Os homens não são iguais, portanto não há uma única visão dentro de qualquer poder! Cuidado Valmir da Integral, não acredite tão cegamente nestes que te prometeram blindagem total.

Demais ratos, ratazanas, ratinhos proliferam nos corredores do Morro dos Ventos. Não fizeram melhor, sabem apenas roer. E como roem.

Maquivalda perdida na sua arrogância e ganancia não percebe o tamanho do estrago que sua ânsia e pressa causaram na vida de Valmir da Integral. Comprar terrenos quando a prefeitura já dispunha de tantos é um acinte e uma vergonha. Quantos terrenos, quanta comissão e qual o tamanho das partes devolvidas? Onde e para que tanto dinheiro, tantas terras e tanta pouca vergonha? Como podem se olhar, ao verem os miseráveis que ocupam encostas, margens, serem beneficiados com tão pouco, a ponto de promessas eleitoreiras como o tíquete construção ser prometido sem possibilidade de entrega? E os ocupantes do linhão, porque não se busca uma solução de fato? Maquivalda e sua troupe são culpados também, estão a se beneficiar da inercia do Valmir. Precisamos buscar os recursos desviados do  Fundo Municipal da Habitação e de todas as privatizações de terrenos ocorridos. haverá justiça. Jakson não partiu em vão.

Meio ambiente, não André Rosa, mas Zoênio. Eis um rato que rói e morde as escondidas. É hilário pensar no seu consorcio com Leudicy, sua cara metade. Ambos se locupletam nos escritórios e quartos da vida. São bandidos a solta. Como perdemos tanto tempo aguardando soluções que nunca viriam, com tão pouca qualidade nesta ingestão.
Passou Dr. Romulo e ficou o rombo na Saúde. Hospitais em construção, Upas sem função, medicamentos vencidos. Compras ilegais ou enormes repasses em compras fantasmas. A população perdeu dois anos de possibilidades e ainda sem solução. O  novo secretario é fraco, não consegue resolver e nem tem iniciativas básicas de gestão para encontrar uma solução para  o caos deixado para trás. Precisamos cobrar do Dr. Romulo a devolução dos recursos perdidos, desviados ou mal empregados. Precisamos que o MPE investigue, são centenas de denuncias graves.
Poderia eu  desfiar todas as instancias desse grupo, com toda sua soberba e “conhecimento”. Programas piratas em todas as máquinas inclusive contabilidade, profissionais dedicados trabalhando em seus próprios computadores, inexistência de repositório de projetos, falta de planejamento, internet cara e absurda, ingerência, lentidão, lerdeza, ausência de parâmetros, de medidas, de metas e entrega de serviços. Fica tudo ao acaso, largado, inútil. Com um chefe que não sabe ou não quer decidir tudo fica como antes, no quartel de Abranches...

Assim temos, a cidade maior exportadora do Brasil (7,2 bilhões de dólares em minério de ferro) em completo abandono e a beira da explosão. São tantos problemas sociais, econômicos, habitacionais, de saúde, de gestão que perdemos a conta das possiblidades de retrocesso. Já somos a 6ª cidade mais violenta do país. Estamos sem rumo, nau sem norte e sem comandante. Para onde ira Parauapebas?

Impeachment já!
O impedimento e a cassação do mandato de Valmir da Integral é um importante sinalizador das intenções da sociedade paraense e brasileira. Com toda a lambança feita com recursos públicos e à vista de todos, manter este mandato significa que não podemos esperar mais nada dos políticos locais. Que pode até um ser pecaminoso como Darci pensar em voltar a nos governar. Que qualquer um pode ser prefeito de Parauapebas, que pode fazer o que quiser que estará blindado contra a lei e a ordem. Assim não teremos esperança quanto ao nosso destino.

O trabalho do Conselho Municipal de Saúde, à frente D. Leonice e Dr. Marden jamais serão perdidos. A corajosa posição do  G5, vencendo mentiras, criticas e polpudas propostas para se calarem jamais poderão serem esquecidas. E  o pior de tudo – a perda prematura do Dr. Jakson, jamais poderão ser corrompidas com a presença de quem,  perpetrou o mal maior – a morte. Todos estes atores, incluindo ai o povo insatisfeito, as lideranças comunitárias engajadas, a sociedade devem se levantar com a bandeira do impeachment de Valmir da Integral. Não merece, não sabe cumprir a lei ou acordos, avilta o cargo de prefeito de Parauapebas.

Na esperança de resgatar nossa historia, marchamos contra o destino opressor e duvidoso. Os vereadores neutros ou apoiadores, virão a marcha da renovação avançar e transformar tudo. Viva Parauapebas!

Nossa homenagem final ao Dr. Jakson:
Lamentamos profundamente a partida prematura e violenta do Dr. Jakson, nossa liderança local, sua cidade, onde construiu seus sonhos e se posicionou contra a truculência e a perfídia. Lamentamos profundamente o terror implantado e em frutificação. Silenciar quem pede esclarecimentos, exercendo uma tremenda exposição de seu poder, é algo impensável. Atiramos para matar, as partes do corpo destruído enviam também uma mensagem para os sobreviventes. Matar o Dr. Jakson de forma que soubéssemos o tamanho do poder exercido é de uma crueldade e de uma liberdade de ação  típicas do estado de guerra suja. Não temos armas, não temos como confrontar um poder tão grande. Desunidos não, mas é insistente a imagem do Dr. Jakson lá imóvel, a sangrar, o rosto de sua amada esposa, de seus filhos, alguns ainda sem compreender direito o motivo da partida precoce e definitiva de um filho da terra e de um prisioneiro de historia presente. Aqueles que o mataram que reflitam se vale a pena, se o premio  vale a luta. Mas sei que não podem refletir, o ódio ou o poder excessivos não permitem.


09 fevereiro, 2015

Lideres empresariais e políticos de Parauapebas devem se unir ao povo para enfrentar esta crise.

COMO PARAUAPEBAS PAGA O PREÇO INTERNACIONAL DA VALE

Lideres empresariais e políticos de Parauapebas devem se unir ao  povo para enfrentar esta crise.
Politica e econômica. E social. E moral.



Pergunto sempre pela posição da ACIP. E da CDL. Afinal o que pensam estas organizações sobre o presente e futuro de Parauapebas? Podemos ajudar. Estarão ainda com Valmir da Integral, estarão nos braços de Darci ou querem realmente mudanças e futuro?




Estamos assistindo uma brusca queda da arrecadação de impostos e taxas pela PMP. O comércio está parado. Não temos atividade industrial, e o setor de serviços sofre deflação e ausência de clientes. Há uma relativa calmaria nas ideias. Até então folgada com os repasses mensais e crescentes do  CEFEM, amargamos apartir de 2012 com uma queda consistente – naquele ano mascarada pelo repasse espetacular do acordo com Pazinato de quase um bilhão de reais. Ainda lá, detectamos o viés de baixa e diante do cenário nacional e internacional, estimamos que esta crise perdure até 2017 – 2020, quando aprenderemos a conviver e viver sem a força do  CEFEM, ou com ele bem domado, cobrindo uns 40 – 60 da arrecadação municipal. Vamos aos fatos reais e mercadológicos, usando as leis da economia como pano de fundo. Fato – a mina de ferro esta estabilizada, todo o investimento para chegar a sua maturidade foi feito e sacramentado. Lembram daquelas paralisações na portaria? Naquele momento, conforme escrevemos, havia uma mudança estrutural nas relações VALE X EMPREITEIROS, os peões começavam a sobrar.

Prefeitos do Piauí querem parar obras da ferrovia Transnordestina
PORQUE SERÁ  QUE NO PARA NÃO É ASSIM? É A FORÇA DA VALE?
http://multimedia.aspermont.com.au/web_images/grey.gif


Prefeitos de 15 cidades do Piauí ameaçam embargar as obras da ferrovia Transnordestina caso a Civilport, responsável pela execução das obras, não cumpra os compromissos firmados com os municípios onde os trilhos vão passar. Segundo a Associação Piauiense de Municípios (APPM), a construtora não tem recolhido o Imposto Sobre Serviços (ISS), estimado em R$ 16 milhões.

Os projetos de minério de ferro Planalto Piauí, da Bemisa, e Borborema, da Latin Resources, no Rio Grande do Norte, dependem do empreendimento para escoar a produção. De acordo com a APPM, a empresa responsável pelas obras recebeu cerca de 60% dos recursos do governo federal. Segundo o presidente da associação, Arinaldo Leal (PSB), os prefeitos procuraram a entidade para solucionar o problema.

Os prefeitos alegam que o transporte de cargas pesadas tem causado estragos nas estradas e a empresa não tem realizado a manutenção dos trechos comprometidos pela passagem das máquinas. Outra irregularidade apontada por Leal é que a Civilport, com sede no Rio de Janeiro, tinha assumido o compromisso de contratar trabalhadores da região, mas terceirizou os serviços.

“Vamos nos sentar com os prefeitos, elaborar um documento e encaminhar para a direção da empresa. Acreditamos que a paralisação da obra pode trazer prejuízos para todos, então a empresa tem interesse em corrigir as irregularidades”, disse o presidente da APPM. A Transnordestina é de responsabilidade da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN). A parte da construção que enfrenta problemas tem 179 quilômetros e passa pelas cidades de Pavussu, Eliseu Martins, Rio Grande do Piauí, Itaueira, Flores, São José do Peixe, São Miguel do Fidalgo, Simplício Mendes, Paes Landim, Bela Vista, Nova Santa Rita, Campo Alegre do Fidalgo, São Francisco do Assis, Pajeú e Ribeira do Piauí.

Os prefeitos das 15 cidades se uniram para tentar embargar a obra da ferrovia. Procurada pelo jornal, a CSN não atendeu às ligações. As informações são do jornal piauiense O Dia.




É ISSO QUE QUEREMOS, UM MERCADO A VISTA DE MINERIO DE FERRO AQUI EM PARAUAPEBAS. IGUAL AO DA CHINA.

Vale vai criar rota de minério entre Brasil e importante porto chinês

http://multimedia.aspermont.com.au/web_images/grey.gif
O secretário do partido na província de Jiangsu, Luo Zhijun, disse esperar que a Vale avance os projetos previstos no memorando de entendimento (MoU) assinado com o governo da China para o porto Lianyungang. O acordo inclui uma rota marítima entre os portos, a abertura de um terminal de granéis sólidos e a criação de um mercado de negociação à vista (spot) de minério de ferro na cidade chinesa.
Zhijun participou de reunião, no último domingo (23), no Rio de Janeiro, com diretores da mineradora. O encontro teve o objetivo de estreitar os acordos firmados no memorando assinado em julho  de 2014, durante a visita do presidente chinês, Xi Jinping, ao Brasil. A mineradora assinou o documento para desenvolver iniciativas sustentáveis entre o porto de Tubarão, no Espírito Santo, e o porto de Lianyungang. Pelo acordo de cooperação, os dois portos trabalharão juntos para implementar medidas que venham a tornar-se referência mundial no setor portuário. Na ocasião, o diretor do Porto de Tubarão, Luiz Fernando Landeiro, e o presidente do conselho do Porto de Lianyungang, Bai Liqun, assinaram o acordo em Brasília. Em comunicado enviado por e-mail ao NMB, a Vale falou sobre o apoio do governo provincial de Jiangsu. “Como um parceiro de longo prazo da China, a Vale apoia o compromisso com o governo chinês para o desenvolvimento sustentável e tem investido para aumentar a oferta do melhor minério de ferro através de um sistema de logística mais eficiente e um ambiente amigável”, afirmou a mineradora. De acordo com Zhijun, Jiangsu é o principal parceiro comercial e importador de minérios do Brasil, o que estabelece uma base sólida para a colaboração na logística portuária e no transporte. A cooperação entre Vale e porto de Lianyungang vem desde 2010 e a mineradora é hoje a maior fornecedora de minério de ferro de Jiangsu.

Segundo o secretário provincial, durante esse tempo, os portos de Tubarão e de Lianyungang tiveram progressos consideráveis em tecnologia. Zhijun ainda afirmou que espera trabalhar em conjunto com a Vale para acelerar a realização de todos os projetos previstos no MoU, incluindo a abertura de rotas de transporte de carga a granel do porto Lianyungang ao Brasil e a negociação spot no porto chinês.
Localizado na costa central da China, o Porto de Lianyungang é considerado o principal hub portuário do país. É também um importante porto de transbordo de minério de ferro e hoje está dentro da chamada Zona Econômica da Rota da Seda, proposta recentemente anunciada pelo presidente Xi Jinping, que visa intensificar a troca comercial entre os mercados asiático e europeu.

O secretário do partido provincial de Jiangsu, Luo Zhijun