Twitter Feed Facebook Google Plus Youtube

29 julho, 2017

Loas, loas a Parauapebas



COMO CULTIVAR A RUPTURA DO ANTIGO E RECONSTRUIR UMA CIDADE?




RECOMEÇAMOS,
Mas ainda sem ritmo, sem a firmeza necessária a uma cidade que tem que se reconstruir.













Finalmente, com a chegada da madeira da supressão às mãos dos moveleiros, a cidade respira um pouco mais. E mais ainda, com as recorrentes antecipações de pagamento por parte da máquina pública – leia-se prefeitura, o ciclo de dinheiro em circulação aparentemente diminuiu. Respira-se num ritmo um pouquinho mais acelerado. E só. Não temos absolutamente nada ainda que garanta a tão necessária transformação de Parauapebas.


Estava pensando sobre o silencio local quanto ao momento especial em que passa o país. Nada, ninguém se manifesta, não há mobilização. Vemos apenas os grupelhos cuidando de seu botim, os excluídos sem reclamar ainda na esperança das sobras.

O interior do país é assíncrono, desenvolve uma personalidade que atualmente está desembocando numa caçada de morte aos políticos. Seria a banditização da política? O extremo do assassinato como aviso de que a mentira e a postura sacana dos políticos tem um preço? Não sei, penso no fato como um extremo que não enaltece pessoas, piora a situação já tão destrambelhada.

Voltando ao nosso sitio, é preciso compreender de vez que o alcance dos sonhos restringem apenas a Belém, no máximo, a um obscuro e higiênico cargo de deputado federal. Não entenderemos jamais que vamos precisar unir ideologias – grana – para sonharmos com uma estratégia factível com o Estado do Carajás.


O que vemos é loas a Helder, laos a Jatene. Não acreditamos em nós, não estamos preparados.

Sonhamos, sabemos e queremos uma Parauapebas forte e em crescimento. Sabemos como fazer paulatinamente, tenazmente dessa vila, uma cidade vigorosa.

A questão da energia solar, posta em tantas discursões por nossa empresa, parece final e timidamente começar a virar realidade, ao menos nos discursos de um grupo de vereadores ungidos pelo silencio covarde dos que não sabem.

O executivo vai licitar energia solar. É o avanço na demonstração do que podemos fazer e trazer de novos recursos e até uma nova matriz para a cidade.

Possibilidades diversas há de transformação. Pena não termos o fluido vital da coragem e ousadia correndo nos corações dos que decidem.