Twitter Feed Facebook Google Plus Youtube

25 maio, 2017

Uma cidade que precisa de oportunidade!



Recomeçamos?
 Ressuscita-me Lutando Contra as misérias Do cotidiano Ressuscita-me por isso...
... Ressuscita-me Para que ninguém mais Tenha de sacrificar-se Por uma casa Um buraco, Vladimir Mayakovsky












Respira-se outros ares pela cidade. Vem do morro dos ventos uma lufada revigorante aos ares empesteados de Parauapebas. Ainda tímido mas importante, temos um prefeito que se desloca, que acaricia e ainda não tem medo do povo que o elegeu de forma apertada. O poder econômico do prefeito anterior era consistente, mas não tinha talento ou inteligência para saber dispor e abriu espaços para Darci. 

Estamos timidamente tendo a resposta, precisa melhorar, não quer dizer que tudo está resolvido. Esse prefeito ainda está tremendamente preso a grupos excludentes, mas está fazendo o que é possível, junto ao povo carente e sofredor. Demonstra compaixão e vai as ruas, eventos, está presente. Darci é político, sabe se colocar. 

Mas o que motiva minhas reflexões é esse edital de licitação para se dar manutenção em pontes na zona rural. Não tinha visto isso antes. Sou o autor e estudioso na minha consultoria do ecossistema PARAUAPEBAS COMPRA AQUI. Não é uma lei, a ASSOCIAÇÃO DOS MICRO EMPRESÁRIOS – AMPER estará tratando disso com o devido desenvolvimento estratégico e envolvimento social, econômico, jurídico e local.  LOCAL, na ampla acepção do termo. 

É o que temos em mãos. Um tremendo orçamento, na casa do bilhão e o prefeito em conjunto com vereadores e sociedade pode sim, manipular essa montanha de recurso para desenvolver a cidade. É legal, é constitucional. Para isso precisamos de base jurídica local. Precisamos de cabeças abertas e precisamos sobretudo ACREDITAR. Há modelos que podem ser visitados e que esse sistema tem funcionado. Portanto não se trata de novidade, é fato!

A exposição dos móveis por exemplo. É desdobramento dos primeiro mandado do Darci, quando ele queria mostrar serviço. Doou os terrenos e criou infraestrutura necessária para a indústria moveleira desenvolver. Mas ficou naquilo e hoje não temos madeira e cerca de noventa empresários engessados na falta de design, madeira, mão de obra e financiamento. O polo moveleiro na nossa acepção e temos projetos para isso, pode se transformar na Indústria Moveleira de Carajás, com certificação de origem da madeira. Isso projeta Parauapebas no cenário global, ávido por consumir produtos da Amazônia com sustentabilidade. Não anda porque ninguém quer ouvir, cada um já tem alguém que está fazendo, é o que mais ouvimos numa cidade que tem muito pouco. Temos madeira, é nossa, madeira da supressão vegetal feita no território do município. Pronto.

Criamos um sistema em que a prefeitura e a câmara dos vereadores estruturam juridicamente uma mudança que, em cinco anos estaria gerando mais de cem mil empregos diretos. Temos as simulações e o desenvolvimento histórico do processo. 
   
Salientamos que políticos fomentam a possibilidade de criação de empregos. Eles não tem empresas, apenas fomentam com a lei e a regulação federal. É possível e queremos muito ser ouvidos. Somos técnicos e não políticos porque não entendemos que o prefeito saiba desse projeto e opte por outro caminho. 

A geração de empregos e renda local transformaria Parauapebas noutra realidade. O brilho voltaria e as perspectivas de crescimento controlado também. Queremos ajudar, ser ouvidos. 


Mas o motivo é esse edital e queremos muito ver mais. O acesso ao prefeito tem acendido esperanças e esse edital demonstra a intenção da campanha da OPORTUNIDADE. Nosso escritório está recebendo forte demanda de novas cooperativas, novas empresas, novas consultas e muita inovação. Queremos que Darci continue e incentivar e abrir portas, de verdade.