Twitter Feed Facebook Google Plus Youtube

06 janeiro, 2017

Uma gestão com presságios...







São notícias detalhadas do blog soldocarajas, acesse aqui http://soldocarajas.blogspot.com.br/. E assusta. Haverá tempo para recomeçar?








Favela do Rio, analisar as correlações contextuais, objetivo

Valmir da integral e seu bando destruíram Parauapebas. O mais incrível é que estão soltos e lá ficarão, a mercê de si próprios. Usaram e abusaram da boa-fé e da fome de incautos eleitores que nunca deveriam compreender que é “democracia” ou mesmo porque essa palavra me remete brutalmente a Roma, onde quarenta mil metecos  eram alijados do processo por se considerar “sem noção”... eram escravos, trazidos de diversas guerras, onde apenas os cidadãos votavam.

Mas a democracia, das desgraças dessa terra de ninguém é a mais fácil ferramenta e fazer o que, se técnicos e consultores de alto nível são alijados do processo complexo de gestão por políticos que sequer conseguem usar o tempo a seu favor?

Darci deveria ter começado seu trabalho mais cedo, ele sabia disso, estava na cara e na imprensa, está no MPE, GAECO e na própria imagem da malfadada Integral há dezenas de anos. Valmir não é gestor de nada, nunca foi; que o digam eu, Celia, Raimundo Qualidade e todos os reais administradores que passaram por aquela gaiola de loucos.

Mas foi eleito com mais de vinte mil votos à frente do manso e cordato Coutinho...

Fazer o que?

Primeiro não acredito que Darci não vá mexer a merda que recebeu. Simplesmente porque não tem jeito e se ele não der noticia, VAI RECAIR SOBRE SUA GESTÃO.  LOGO ESTARÁ IMOBILIZADA pela falta de tempo e pelos eventos de início de exercício: contratações para postos chaves, material escolar, reforma de escolas, compra de medicamentos, manutenções e tudo o mais que fazem a gestão de Parauapebas patinar e patinar e nunca sair do lugar. É lamentável e chega a ser cruel ver tantos sonhos virarem líquidos, unicamente porque os grupos locais são extremamente limitados e não suportam trabalhar com todos e para todos.

Ganham eleições em outubro e começam a trabalhar em janeiro, isso não é mais possível, Parauapebas é complexa, enorme e distante.

Valmir e sua trupe precisam pagar pelo que fizeram. Me lembro da compra desses ônibus, havíamos terminado a auditoria da Educação, Ciza defenestrada, processos, e  Juliana, carregada por Major, havia assumido como redentora. 

Essa compra foi uma estupidez, uma loucura de malucos, uma tremenda irresponsabilidade porque nunca pensaram na manutenção. Eu estava lá, alertei. Nada.  Apenas a megalomania do poder, que logo, logo, será expressiva e parte desse “secretariado” estará trilhando e cometendo as mesmas loucuras. 

Agora Darci não é Valmir, ainda bem e espero sinceramente que conduza ao melhor termo essa gente, esse balaio de gatos tão dispares.

Parauapebas espera e está impaciente. Há fome, criminosos estão à solta. 

O judiciário, seletivamente agora mostra os dentes. 

O antagonismo visceral está amadurecendo.  Como diz Nina Simone, na belíssima e dolorosa Lilac Wine: não estou preparada para o amor...