Twitter Feed Facebook Google Plus Youtube

27 outubro, 2016

Ignorados, humilhados, ainda silenciosos



TRAGÉDIA ABSOLUTA














O cenário danoso e perverso da Parauapebas atual parece não ser percebida ou sentido por seus agentes políticos e econômicos. O desemprego estrutural que se abateu e ganhou corpo nos últimos três anos não pára de fazer vítimas. Mais de 30 mil pessoas encontraram na rodoviária a única e melhor saída. Nossas estimativas prevê mais 50 mil seguindo o mesmo caminho.

Os serviços públicos estão minguando e isso preocupa. A auditoria da Bolsa Família trouxe a necessidade do recadastro e a prefeitura não dá conta de fornecer veículos ou pessoal especializado para fazer frente às exigências federal. Assim o benefício está sendo cortado de muitos necessitados que neste momento tem nessa renda miserável seu único recursos para não passar fome.

O pronto-socorro foi desativado. O sistema de transporte público atende apenas seus donos, as cooperativas e os moto taxistas. Esquecem completamente seus clientes usuários, servindo-os somente para arrecadação.

Não há oferta de novos empregos e a prefeitura sozinha não absorve, há limites tanto legais quanto morais para tal utilização da máquina pública.

As massas se inquietam. A perspectiva de vender o voto, de trabalhar nesta ou naquela campanha passou. O que fará essa massa desesperada e com a saída cortada, nesse início nada promissor de 2017? Acho que as autoridades local deveriam se preocupar. Eu como cidadão estou muito preocupado.

Não estamos enxergando esforços ou busca de soluções por quem vai governar a cidade. Não estamos vendo interesse ou esforço de solução por parte dos sindicatos, de grupos organizados, de outrem que não sejam os próprios desempregados. É um péssimo sinal. Massa dispersa, qual pólvora. 

Dias finais de um desgoverno trágico, o cenário atual é ainda mais trágico porque não sinalizou saída, solução, ao menos busca de soluções de curto ou médio prazos. O sucateamento da cidade ainda não refletiu na arrecadação de recursos feitos pela VALE. A cidade continua recordista de produção e faturamento. São bilhões em produção mineral que devastam a cada dia mais celeremente a esperança de construção de uma cidade minimamente humana e para seres humanos.

O susto que temos quando tratamos com pessoas que ganharam muito aqui e percebemos suas malas prontas para a partida revelam que sociedade egoísta e perversa criamos nesses anos todos de farta produção, escoamento, valorização e venda do minério de ferro.