Twitter Feed Facebook Google Plus Youtube

07 setembro, 2015

Quase sem ar, a saúde de Parauapebas vai de mal a pior.

COVARDIA,
COVARDIA


Desgoverno total. Será difícil termos um orçamento para 2016. Não acredito que haja alguém neste governo preocupado com o futuro. Tudo é para ontem. Fica claro a falta de planejamento e alguma previsibilidade. Ratos ainda engordam com a falta de controle e a liberdade de ação.












Mudanças intempestivas ocorrem a todo momento neste governo sofrível. A mudança da data do desfile de sete de setembro retrata e configura apenas o desrespeito costumeiro de Valmir da Integral pela historia. Francineide logo vai sair desta secretaria e não deveria mexer em nada, deve apenas preservar seu nome e imagem. Não deve assinar nada, tomar qualquer decisão. Juliana esta pagando e pagará um preço enorme e muito cato por ter acreditado neste governo e nesta “equipe” de irmãos metralhas.

Imagem triste de como a saúde tem dificuldade de respirar sem gás
A inauguração do “novo” hospital municipal é um acinte a moralidade publica. Apenas repintura. Fala-se em reestruturação da saúde. Tenho más noticias para quem acredita nesta possibilidade. Não há a mínima condição de qualquer mudança estrutural neste governo. O problema chama Valmir da Integral. Enquanto ele estiver à frente desse governo, nada acontecerá. Não tem o hábito do planejamento e da visão de águia. Tudo acontece por acaso  e de forma inesperada na sua longa vida de homem e empresário. É do acaso, do caos que ele tira seu sustento e sua sobrevivência.

A saúde já passou para a UTI há anos. Ainda não morreu pelo voluntarismo de pessoal anônimo que sofre derrotas diárias e engole em seco a cada paciente morto ou a cada atendimento desesperado. Serviços essenciais a manutenção da vida – como o fornecimento do gás – ainda não parou porque há renuncia. Até a alimentação pode faltar, fornecedores não recebem há seis meses e desistem de ajudar a mais rica prefeitura do Pará.

Não há forças que retire este governo. Tudo esta dominado e o mal sempre prevalece.


Tudo isto é um acinte e uma vergonha. Mas porque Valmir, declaradamente incompetente e cercado por auxiliares limitados não renuncia? Se não tem força que o tire do poder ou que ajude a sociedade resolver este problema, porque ele não renuncia?